A infidelidade é um assunto complicado. Conforme um levantamento realizado entre meus consulentes, cerca de 30% a 50% deles já se envolveram em intimidades emocionais e/ou físicas com alguém que não seja seu parceiro romântico.

A razão pela qual as pessoas traem em seus relacionamentos me intrigou durante anos. Para responder a esta questão eu pedi a alguns jovens e adultos que já passaram por episódios de infidelidade que contassem um pouco de suas histórias, na esperança de que fossem respostas claras e simples. Eu esperava coisas do tipo: “Meu parceiro não era tão íntimo de mim quanto eu queria que eles fossem, então eu fui encontrar essa intimidade em outro lugar”, ou “Meu parceiro não me deixou seguir a carreira que eu queria, meus interesses que eu amava, meus sonhos para o futuro; Eu fugi do meu relacionamento para tentar tomar o rumo da minha vida novamente.”

E então quando comecei a prestar atenção nas respostas percebi que: cerca de 60% das pessoas pesquisadas relataram ter traido por considerarem que o relacionamento não ajudava a satisfazer suas necessidades mais básicas, então elas tentaram satisfazer essas necessidades em outros lugares. As outras 40% contaram uma história mais sutil. Para elas, a infidelidade não era algo que “decidiram” fazer, como eu já desconfiava. Pelo contrário, foi algo que “simplesmente aconteceu”.

Ou seja, muitas dessas pessoas afirmaram que trair seus parceiros não era algo que pretendiam fazer. Há vários ingredientes combinados para criar uma receita de infidelidade, muitas vezes tão chocante para a pessoa quanto para o seu (sua) parceiro(a). Esses ingredientes tendem a incluir:

  • Estar sob a influência do álcool;
  • A disponibilidade de outra pessoa a quem alguém é atraído;
  • Vulnerabilidade emocional de se sentir infeliz consigo mesmo e/ou sobre o relacionamento de alguém.

Esses achados indicam que a infidelidade é mais estratificada do que a narrativa de “uma vez trapaceiro, sempre trapaceiro”.



De uma maneira diferente, é possível que qualquer um de nós seja a pessoa que teve um dia ruim, ou uma briga com o parceiro(a), vá a um bar para relaxar e conheça alguém que consideramos atrativo. Qualquer um de nós pode, inadvertidamente, se deparar com um um ambiente propício que pode levar à infidelidade.

Diante disso, que orientação posso dar diante deste achado ?

  • Identifique suas necessidades e comunique-as ao seu parceiro(a). Quais são algumas das principais necessidades que você deseja satisfazer em um relacionamento romântico ? O que pode acontecer se essas necessidades não forem satisfeitas?
  • Pergunte sobre as necessidades do seu parceiro(a) e esteja aberto a como você pode satisfazê-las;
  • Converse com seu parceiro(a). A consciência de que ninguém está “imune” a participar da infidelidade pode despertar conversas sobre limites e vulnerabilidades.

Até a próxima !

Compartilhe este artigo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *