Se você é como a maioria das pessoas, então provavelmente casou-se ou pensa em se casar motivado por muita afeição e intimidade. Coisas estas que, eventualmente, colidem com a insegurança e a apreensão. Por outras palavras, você acredita ou acreditou que se casou por amor. E parece que essa foi ou é a parte fácil, não é mesmo ?

Só que o amor é mais eficaz em nos unir do que nos manter juntos, afinal ele é mais fácil se administrar do que os relacionamentos. Contudo a verdade é o oposto: os relacionamentos são difíceis porque o amor é fácil de acontecer.

Calma que eu explico

Sentimentos fortes e sensações de qualquer tipo costumam carregar consigo uma ilusão de certeza. Com exceção do ressentimento, o amor é, de longe, o principal causador destas ilusões. E é justamente essa ilusão de certeza a principal responsável por grande parte da dos nossos ressentimos para com as pessoas que mais amamos.

Sentimentos fortes e sensações de qualquer tipo também tendem a bloquear as outras pessoas, por exemplo:

  • Quando você tem uma dor de cabeça terrível, é difícil reconhecer que outra pessoa tenha dor nas costas;
  • Se você está ressentido, você não pode acolher as vulnerabilidades do outro;
  • Se você se sentir excitado ou eufórico, é menos provável que se dê conta dos sem-teto dormindo na rua.

Na pressa de projetar nossos mundos emocionais, nos tornamos menos sensíveis às sutilezas dos mundos emocionais dos outros.

Seu parceiro mudou, e você está gostando menos dele

Quando a intensidade do amor diminui, paramos de idealizar e começamos a ver algumas coisas em nossos parceiros que não gostamos. Não é que não gostamos de quem eles realmente são, mas durante a ilusão de certeza do amor parecia que eles eram tudo o que sempre desejávamos.

Essa desilusão é o maior motivo pelo qual os casais brigam, principalmente a partir do segundo ano de casamento, embora acreditem que estão brigando por dinheiro, sexo, inveja, sogros, faxineiras ou algo mais estúpido. A maioria dos argumentos que os casais trazem para a TERAPIA passa pelas seguintes queixas implícitas:

  • “Por que você não pode ser o que eu quero?”, ou;
  • Você me fez sentir que eu era o que você queria. Então você tem que ser o que eu quero !”

Você mudou para alguém que gosta menos do outro

Apaixonar-se faz dos cônjuges pessoas melhores. Eles normalmente se tornam mais compreensivos, carinhosos, amorosos, compassivos e tolerantes. Essas virtudes (e não o seu parceiro) é que fazem você se sentir amável, lhe dando a falsa sensação de que você sabe como fazer com que o casamento funcione.

Seu cônjuge não fez de você uma pessoa melhor, mas sua apreciação, cuidado, tolerância e compaixão é que fez de você uma pessoa melhor e mais amorosa.



Agora, quando a intensidade do amor desaparece, o cuidado, a apreciação, a tolerância e a compaixão também tendem a desaparecer. Como resultado, você não se sente mais amável e querido pelo outro.

Se você culpar seu cônjuge (ou sua infância) por essas dores , então seu casamento inevitavelmente fracassará. Isso se não se tornar abusivo. Afinal, todo abuso é motivado pela falta de compaixão.

Então, se você se sente inadequado ou não amável, como acontece ocasionalmente com todos nós, culpar seu cônjuge (ou a sua infância) só pode piorar a situação. A única maneira de melhorar é tomar uma atitude que faça você se sentir amável.

O que faz uma pessoa adorável ?

Reserve um momento para pensar nas virtudes que tornam uma pessoa amável.

Aposto que você não pensou em coisas como ressentimento, fazer as coisas do seu jeito ou ter que estar certo. Você provavelmente pensou em apreço, cuidado, tolerância e compaixão. Se você quer se sentir amável e adequado, você tem que tornar a ser aquela pessoa apreciativa, atenciosa, tolerante e compassiva de antes. Só que desta vez em doses pequenas e sustentáveis.

Se você quer amar muito, tem que pensar pequeno

Grandes momentos de amor e romance são bons, mas quando em excesso elas trazem provocam um choque com a realidade.

A sensibilidade cotidiana às vulnerabilidades e forças de nossos parceiros, em sinergia com constantes pequenas atitudes de apreciação, cuidado, tolerância e compaixão cortará a ilusão de certeza que nos cega, mostrando o real valor do relacionamento humano.

Boa sorte !

Deixe sua avaliação
Compartilhe este artigo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *